Imprimir esta página

Cerâmica ecológica lucra vendendo crédito de carbono em MG

Avalie este item
(0 votos)
Buckethead's LP
Buckethead's LP

No interior de Minas Gerais, uma fábrica de cerâmica vende mais do que tijolos e telhas. A nova aposta do negócio é no mercado de carbono, mecanismo internacional pelo qual uma empresa que usa práticas sustentáveis vende créditos a empreendimentos que têm dificuldades para reduzir a emissão de gases no meio ambiente.

Nagib Jacob Iunes, 44 anos, proprietário da Cerâmica Ituiutaba, empresa localizada na cidade de mesmo nome, a 700 km de Belo Horizonte, começou a investir na despoluição da fábrica pelos fornos onde são queimados os produtos de cerâmica vermelha, como tijolos e telhas.

Em vez de lenha nativa sem manejo florestal, a empresa começou a usar biomassas de origem comprovadamente renováveis -- como serragem, cavaco e resíduos de madeireira –- para alimentar o fogo.

A troca, além de desestimular a prática do desmatamento, reduziu a emissão de gases como o dióxido de carbono, gás metano e óxido nitroso, responsáveis pelo aquecimento do planeta.

Segundo Nagib, a venda de crédito de carbono contribuiu para alavancar o crescimento da cerâmica. Ele explica que a empresa monitora a produção e a quantidade de restos de madeira gastos para a queima dos produtos.

A partir daí, são calculados os créditos gerados e é feita uma auditoria para verificar a autenticidade dos dados e notas fiscais. Com a quantidade de créditos apurada, a empresa vai para o mercado de venda de carbono.

Nagib acrescenta que essa venda é feita principalmente para empreendimentos de outros países. O processo é terceirizado por uma empresa que atua no mercado de crédito de carbono, a Social Carbon.

Fortijolo

Última modificação em Terça, 19 Maio 2015 15:30

Tabs

Archives